SINDFAZENDA é destaque em audiência pública que debateu a MP 765

SINDFAZENDA é destaque em audiência pública que debateu a MP 765

COMPARTILHAR

 

por Grace Maciel

O presidente do Sindicato Nacional dos Servidores Administrativos do Ministério da Fazenda- SINDFAZENDA, Luis Roberto da Silva, na condição de líder cedeu lugar a representante regional de Minas Gerais, Marina Guedes, para falar em nome da entidade na audiência pública sobre a Medida Provisória – MP765, na manhã desta terça-feira (18), no Senado Federal. Marina fez um pronunciamento memorável e foi a mais aplaudida da audiência.

IMG_3890De acordo com Luis, a indicação da sindicalista se deu devido ao reconhecimento de seu potencial em oratória. Juntamente com ele, a representante regional afinou o discurso para fazer uma bela apresentação. O presidente do SINDFAZENDA sabe reconhecer os talentos e o momento oportuno para cada um deles: “A Marina fala muito bem e o discurso foi dentro do que esperávamos, tanto que todos gostaram. O sindicato tem um roll de jovens que ainda vai surpreender bastante, por isto é sempre bom o sindicato dar oportunidade para eles se expressarem”. Destacou Luis.

Na ocasião, o líder sindical agradeceu a oportunidade ao senador Fernando Bezerra e ao presidente da audiência, deputado Hiran Gonçalves, por haver dado a oportunidade de expressão ao SINDFAZENDA.

Pronunciamento do SINDFAZENDA

Screen Shot 2017-04-18 at 5.47.18 PM

Primeiro veio o silêncio e, depois, como um trator, Marina Guedes passou por cima de todos os argumentos de que “ A” ou “B” tem direito ao bônus de eficiência. Ela deu um verdadeiro “ show”. Foi clara, precisa; dinâmica. A “rr” pontuou a atuação dos Pecfaz, inclusive como atividade finalística. Falou do percentual da categoria no corpo funcional da Receita, e enumerou todas as atividades exercidas por servidores administrativos. “Não temos a capacidade de camuflar a nossa presença na Receita! Na região centro-norte ultrapassa 80% do quadro. É um engodo, é uma falácia querer dizer que não fazemos parte da cadeia produtiva da Receita. O ambiente está insuportável, pois somos obrigados a produzir e o colega ao lado recebe mais de bônus que nós de remuneração.  […]Precisamos que a Administração Pública pare de maximizar apenas certas classes”. “Não há razões técnicas para não recebermos o bônus de eficiência! Todos devem receber por estarem nesse projeto de trabalho!”  Defende.

Ela enfatizou a falta de ética, de moralidade e de comprometimento com o interesse público, por parte da Administração. Foram dez minutos de argumentos plausíveis que fizeram com que parlamentares presentes apoiassem com veemência a luta do SINDFAZENDA, a exemplo da deputada Maria Helena, que parabenizou o sindicato na pessoa de Marina, assim como o deputado Cabo Sabino, que foi enfático ao dizer que “não acha justo deixarem os Pecfaz for a do bônus de eficiência”. O parlamentar disse, ainda, que caso os Pecfaz não sejam contemplados no relatório, ele apresentará uma emenda com a inclusão da categoria representada pelo SINDFAZENDA, no Plenário.

Acompanhe a íntegra do Pronunciamento. Clique aqui.

Audiência com o ministro do Planejamento

Screen Shot 2017-04-18 at 4.34.33 PMAudiência pública da tarde desta terça contou com a presença do ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão- Mpog, Diogo Henrique de Oliveira, que ressaltou: “O Pecfaz não é uma carreira na Receita Federal, e sim administrativa do Ministério da Fazenda”. O que foi contestado pelo deputado Cabo Sabino: “ Essa MP nem deveria ter vindo; deveria ter sido aprovado o outro projeto”. O parlamentar continuou: “ O senhor acha que esses servidores só têm o direito de colaborar e não tem direito ao bônus. Eles trabalham para apenas os outros ganharem? Me diga quais os prejuízos que esses homens e mulheres participem deste bônus? Eu vejo que teríamos um órgão mais oxigenado para a construção de uma Receita mais humana”, enfatizou. Sabino clamou ao ministro para rever esta situação, e finalizou: “ Acredito que quando temos a mão completa ela abraça muito mais; quando apenas temos 2 dedos somos deficientes!”.

A expectativa é de que o relatório seja apresentado na próxima terça-feira (25) e votado na quarta-feira (26) e com a presença do ministro Diogo.

Imprensa/SINDFAZENDA

 

 

COMPARTILHAR