SINDFAZENDA participa de debate sobre assédio moral e PDV na Ctasp

SINDFAZENDA participa de debate sobre assédio moral e PDV na Ctasp

COMPARTILHAR

por Grace Maciel

O Sindicato Nacional dos Servidores Administrativos do Ministério da Fazenda- SINDFAZENDA, participou na manhã desta terça-feira (31), de audiência pública que abordou o tema Assédio Moral e Programa de Demissão Voluntária- PDV, na Ctasp da Câmara dos Deputados.

O SINDFAZENDA atendeu o contido no ofício 064/217-CTASP assinado pelo deputado Orlando Silva, presidente dessa comissão que atendendo ao requerimento 190/17, de autoria dos deputados Erika Kokay, Alice Portugal e Daniel Almeida, que convidaram o SINDFAZENDA para compor a mesa de debate no assunto de muita importância para os servidores públicos, PDV e Assédio Moral.

“Estivemos muito bem representados pela dra. Lia Rachid, nossa assessora de assuntos parlamentares dentro do Congresso Nacional. Ela destacou em seu pronunciamento sobre o tema Assédio Moral, que a falta de uma carreira específica dentro da RFB, gera sim assédio moral, pois deixa servidores volúveis sem identidade funcional o que causa constrangimento, tristeza e falta de incentivo”. Destacou a diretora de Assuntos Parlamentares, Neire Luiz.

Lia denunciou: “ Qual é o limite da autoridade e do autoritarismo?”Nós temos uma situação aqui agravada, pois é uma categoria de apoio[Pecfaz] a qual a atividade não teria o mesmo desempenho se não fosse por eles. Muitas vezes esses servidores são tratados em segundo plano; como ategoria inferiorizada”. Acompanhe aqui a audiência na íntegra e o pronunciamento da assessora parlamentar.

Na ocasião, o secretário-geral da Confederação dos Servidores Públicos do Brasil- CSPB, e diretor da Nova Central SIndical de Trabalhadores- NCST, Lineu Neves Mazano, também citou a situação funcional que se encontram os servidores do Plano Especial de Cargos do MF- Pecfaz. O dirigente, que é parceiro de ambas as entidades que representa, ressaltou, ainda o desmantelamento do serviço público  que se revela também no Plano de Demissão Voluntária, cuja a experiência em nosso país trouxe resultados trágicos àqueles que acreditaram no potencial do suposto benefício. ” A avalanche de ataques simultâneos nos faz acreditar que na agenda do governo não cabe a melhoria de serviços essenciais à nossa população; mas o acúmulo de recursos para assegurar o pagamento de uma dívida pública criminosa, que abocanha metade dos recursos da União e que, sob fortes indícios de fraude e especulação, arrasta nosso país ao atraso e ao subdesenvolvimento”, alertou Lineu.

Vale destacar o desabafo de um servidor que comoveu a todos que estavam na comissão. Ele relatou sua ” triste experiência”  após 25 anos de serviço público e assim resolveu aderir ao PDV, com lágrimas nos olhos ele disse claramente, NÃO CAIAM NESSA ARMADILHA!

Imprensa/SINDFAZENDA

COMPARTILHAR