PEC Emergêncial ou PEC da Morte?

PEC Emergêncial ou PEC da Morte?

COMPARTILHAR

Prezados Senadores (as),

Nós, cidadãos brasileiros, estamos vivendo um momento extremamente complicado nesse momento de pandemia. Vemos nossos familiares, amigos, vizinhos, conhecidos e desconhecidos sucumbindo a esse vírus que apelidamos de Covid – 19.

Observamos outros países tomarem medidas que protegem seus cidadãos, seja aprovando políticas públicas de ajuda financeira e social, seja correndo atrás de vacinas. Todas essas ações visam proteger, pois não existe nação sem cidadão. Não existe CNPJ sem o CPF para lhes dá razão de existência.

Portanto, nós cidadãos brasileiros, esperamos que nossos políticos sigam no mesmo caminho que os de outros países, que atuam em prol de seus representados, independente da ideologia política e econômica de cada um. Nesse aspecto, a cada 02 anos cumprimos nossas obrigações de cidadania e comparecemos às urnas para bem escolher nossos representantes.

Entretanto, o que vemos hoje são nossos gestores atuando de forma errática, deixando que o povo brasileiro fique a sua própria sorte. Não temos políticas sociais e econômicas que ajudam a minorar a atual situação. Não temos vacinas em número suficiente para imunizar nossa população.

Diante desse cenário de desilusão com nossos gestores, agora nos deparamos com a discussão no Senado Federal da PEC Emergencial, que nada mais é do que uma proposta que apunhala, de forma mortal, o já desesperado povo brasileiro.

O (A) Sr. (a) Senador (a) acha justo que para proteger o grande capital seja retirado do povo brasileiro seus direitos básicos, tais como:

– Educação e
– Saúde?

Ao acabar com a obrigatoriedade de investimentos em educação e saúde e, ainda, penalizar os servidores públicos como sendo os culpados pela desorganização financeira do Estado, somente punirá ainda mais a população, principalmente as que se encontram nas camadas mais necessitadas da sociedade, pois essas são as que mais utilizam os serviços públicos.

A crise que estamos vivendo é o momento em que o Estado deve estar ainda mais forte para dar garantia mínima de vida para sua população.

Devemos ter responsabilidade com o futuro do Brasil, mas não podemos colocar essa conta nas costas do mais pobre. Povo esse que necessita das estruturas do Estado brasileiro para conseguir suportar essa tormenta.

O servidor público não é, e nunca foi, o responsável pela crise econômica que o país vive. Ao contrário, ajudamos a minimizar seus efeitos, sempre prestando serviços de excelência para a sociedade brasileira.

Diante disto, esperamos que o seu voto não seja o responsável por ajudar a enterrar ainda mais fundo o punhal que irá matar o cidadão do vosso Estado.

VOTE NÃO À PEC EMERGENCIAL 186.

 

COMPARTILHAR