por Grace Maciel


A Comissão Especial da Reforma Administrativa, PEC 32/2020, aprovou o parecer do deputado relator Arthur Oliveira Maia, nesta quinta-feira (23), por 28 a 18 votos.


Saiba como votaram cada parlamentar: 


Votaram sim 



Carlos Jordy (PSL-RJ)
Coronel Tadeu (PSL-SP)
Luiz Lima (PSL-RJ)
Arthur O. Maia (DEM-BA)
Kim Kataguiri (DEM-SP)
Marcel van Hattem (NOVO-RS)
Alceu Moreira (MDB-RS)
Mauro Lopes (MDB-MG)
Bosco Costa (PL-SE)
Giovani Cherini (PL-RS)
Paulo Ganime (NOVO-RJ)
Fernando Monteiro (PP-PE)
Ricardo Barros (PP-PR)
Darci de Matos (PSD-SC)
Misael Varella (PSD-MG)
Stephanes Junior (PSD-PR)
Aroldo Martins (REP-PR)
Henrique Paraíso (REP-SP)
Roberto Alves (REPUBLICANOS-SP)
Lucas Gonzalez (NOVO-MG)
Samuel Moreira (PSDB-SP)
EuclydesPettersen (PSC-MG)
Marcelo Moraes (PTB-RS)
Alex Manente (CIDADANIA-SP)
Gastão Vieira (PROS-MA)
Tiago Mitraud (NOVO-MG)
Evair de Melo (PP-ES)
Sergio Souza (MDB-PR)


Votaram não 



Márcio Labre (PSL-RJ)
André Figueiredo (PDT-CE)
Wolney Queiroz (PDT-PE)
Sebastião Oliveira (AVANTE-PE)
Alcides Rodrigues (PATRIOTA-GO)
Alice Portugal (PCdoB-BA)
Léo Moraes (PODE-RO)
Israel Batista (PV-DF)
Paulo Pereira (SDD-SP)
Alencar S. Braga (PT-SP)
Leo de Brito (PT-AC)
Rogério Correia (PT-MG)
Rui Falcão (PT-SP)
Camilo Capiberibe (PSB-AP)
Gervásio Maia (PSB-PB)
Milton Coelho (PSB-PE)
Ivan Valente (PSOL-SP)
Joenia Wapichana (REDE-RR)


A proposta seguirá para votação em Plenário. Segundo o dep. Rogério Correia (PT-MG), o governo não terá votos suficientes para aprovar a proposta. "Precisamos intensificar a pressão para conseguirmos barrar essa proposta que tem o objetivo de acabar com os serviços públicos". Enfalizou o coordenador da Frente Parlamentar Mista do Serviço Público.


O Sindicato Nacional dos Servidores Administrativos do Ministério da Fazenda (Min. da Economia) - Sindfazenda atua para que a PEC 32 não seja aprovada e realiza ações virtuais e presenciais, pressão nas redes sociais dos parlamentares e outdoors contra a reforma administrativa nos estados dos integrantes da Comissão Especial, para que a sociedade entenda o teor da matéria que de forma "direta" ameaça os servidores e serviços públicos.

A presidente da entidade, Neire Luiz, solicita que a base intensifique a pressão nas redes sociais dos deputados.


Imprensa/SINDFAZENDA