Presidente do Sindicato Nacional dos Servidores Administrativos do Ministério da Fazenda- SINDFAZENDA,  Luis Roberto da Silva, e representantes das entidades de base do Fonasefe participaram, nesta segunda-feira (18), da 6ª rodada da Mesa de Negociação Permanente (MNNP), na sede do DNIT, em Brasília.


Na ocasião, o secretário de relações de trabalho do Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI), José Lopez Feijóo, representou o governo  Federal 


Uma  manifestação dos servidores públicos  antecedeu a reunião, com objetivo de repudiar a condução da Mesa de Negociação por parte do governo.


A secretária- geral, Neire Luiz, a diretora administrativa, Jecirema Carvalho, e a dir. parlamentar, Irismar Miranda, representaram o sindicato no ato, enquanto o presidente do Sindfazenda aguardava o início da reunião da MNNP. 


 


Feijóo anunciou umá "promessa" de proposta, considerada  “desrespeitosa “ e “excludente” por parte do presidente do sindicato e dos demais representantes presentes:


- Reajuste zero em 2024;
- Reajuste no auxílio-alimentação de R$ 658,00 para R$ 1.000,00; o per capita saúde do valor médio de R$ 144,00 para 215,00; e o auxílio-creche de R$ 321,00 para R$ 484,90, a partir de maio de 2024. (Esta proposta prejudica os (as) aposentados (as) e pensionistas);
- Recomposição salarial de 9%, dividido em 2 parcelas, valendo só a partir de maio de 2025.


O SINDFAZENDA e o Fonasefe consideram esta proposta aquém das necessidades reivindicadas pelas e pelos servidores públicos, que amargam perdas salariais de até 53,17%. Além de insuficiente, o governo apresentou um planejamento que divide o funcionalismo público, uma vez que os aposentados e pensionistas ficariam de fora do reajuste do auxílio- alimentação e auxílio- creche.


É preciso intensificar as nossas mobilizações e construir, no próximo ano, uma Campanha Salarial forte e vitoriosa!


 


Imprensa/SINDFAZENDA


com Imprensa/Fonasefe